segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

primavera

Já não escrevia aqui há tanto tempo e sinceramente nem sei muito bem o que venho aqui fazer hoje. Os dias vão passando e cada vez menos sei o que escrever, nada parece digno de ser lembrado, e no entanto tudo parece ser importante para ser aqui colocado. Paradoxos que culminam em meses e meses de ausência. Mas enfim, é um novo ano, pode ser que as coisas mudem. Hoje apeteceu-me vir dizer olá.

E dizer que este ano não há nada daquelas resoluções manhosas de ano novo, que acabam por nunca se cumprir e por dar lugar a outras. Primeiro, porque não há nada a festejar, vai ser um ano difícil. Depois, porque há resoluções mais importantes para incluir aqui (afinal há algumas), mais gerais e concretizáveis (espero!).

Por exemplo decidir efectivamente o que quero fazer da vida, já que este carpe diem não pode durar para sempre. Começar a trabalhar, nem que seja numa certa papelaria, o que pode, sei lá, fazer algum clique na minha cabecita. Ler mais de dez livros nas férias de Verão (que, descobri, não é necessariamente a única altura do ano em que se consegue ler decentemente livros) - e agora com o Goodreads então, este ano têm de ser 28. Mais... passar uma semana sem ir à internet, algo que gostava mesmo de fazer, para ver se espairecia deste mundo em constante mutação dos media (lindíssimo). E viajar, o que, ao que parece, não faltam muitos dias para concretizar - e as sextas-feiras 13 são dias de sorte, quem diz o contrário que vá ver se chove para a semana.

E mais umas coisitas: está um tempo maravilhoso, uma primavera misturada com outono (isto porque agora já somos obrigados a usar o novo acordo ortográfico), naqueles dias em que só apetece chegar a casa a meio da tarde e apanhar sol na varanda ou estar de manga curta no quarto a descansar. Isto tendo em conta que estamos no inverno. E uma conclusão brilhante (ou nem por isso) que se tem sempre que há, lá está, um clique na nossa cabeça, o que habitualmente acontece em dias em que temos de estudar e só nos apetece passar a tarde a conversar e a rir: os amigos são a única coisa que temos neste mundo. E nem sempre sentimos mais saudades de algumas pessoas quando elas estão longe - às vezes apenas sentimos que elas nos fizeram falta quando regressamos à companhia delas.

É isto tudo. Com pequenas coisinhas, pode ser que o ano nem seja assim tão mau como o pintamos, legitimamente. Como nas mensagens fofinhas de ano novo - há sempre uma esperançazita, não é? por isso enviam-se as mais belas mensagens nesta altura, quando verdadeiramente nos abrimos para dizer o quanto gostamos uns dos outros :) -, todos juntos somos capazes de conseguir tornar isto mais suportável, até mesmo bonito. Uma primavera, indeed. Vamos a isso.