domingo, 26 de dezembro de 2010

goodbye hope

Oh esperança, porque não te consigo matar?
És teimosa, persistente, insistes demasiado em coisas que não valem a pena, coisas inúteis e sem qualquer futuro.
Quem me dera poder pegar numa arma e dar-te um tiro no peito.
Quem me dera poder cortar-te os pulsos ou enfiar-te uma caixa de comprimidos pela garganta abaixo.
Porque é que custa tanto acabar contigo?
Sei que és sempre a última a morrer...
... mas porque não morres agora, quando já não há nada que te alimente, que te impele para continuares nesta missão falhada, quando já tudo o resto morreu e se enterrou?
Porque não desistes e me deixas desistir também?

Dás-me um pequeno sinal, um só pensamento, ou uma só ausência dele.

É agora, vais finalmente deixar-me em paz?
Vais fazer-me ver total e claramente a realidade, tal como ela é, sem essa fina camada adocicada que lhe costumas colocar em cima?
Vais-te embora como te pedi sempre, mas sobretudo agora, quando compreendi definitivamente que não compensa bater na mesma tecla, que mais vale desistir e procurar aquela 'coisa linda' noutro lado?
Será que é agora, que é hoje, que vais morrer para sempre?

3 comentários:

Rosa Branca disse...

A esperança sucka tanta vez! PESSOAS, juntem-se! LOL

Carlos disse...

Esperança, aquele colete à prova de bala que nos protege dos balázios que a vida dispara sobre nós, mas que nada faz para evitar a dor das nódoas negras que eles provocam. É certo que por vezes magoa, mas infelizmente não se pode viver sem ela

Mj disse...

É verdade que, às vezes, mais valia que ela (esperança) morresse logo! de vez! Mas pensa bem... às vezes é o que nos dá entusiasmo para viver...