segunda-feira, 12 de julho de 2010

'till we ain't strangers anymore


Somos tão pequenos e raramente nos apercebemos disto. Somos um no meio de tantos... vivemos na sombra de seis mil milhões de pessoas. Outros seis mil milhões... número este que cresce a cada milésima de segundo que passa. E cada um tem uma história própria, uma vida diferente, uma série de situações singulares para viver. Cada um com os seus próprios sonhos e aspirações, interesses e gostos, medos e frustrações. Cada um com o seu próprio testemunho de vida.

Isto é a humanidade e a grande diversidade que a caracteriza. Não há dois seres humanos iguais. E são as experiências de vida de cada um que os diferenciam a um nível que os tornam verdadeiramente singulares. Descobri o projecto '6 biliões como tu', de Yann Arthus-Bertrand, que consiste numa série de questões diversas, banais e universais, realizadas a pessoas de diversos países e culturas. O que é a felicidade? Acha-se uma pessoa livre? Acredita na vida depois da morte? Qual o seu maior sonho? Acredita no amor? Estas são algumas das questões colocadas a centenas de pessoas um pouco por todo o mundo. E a diversidade das respostas é intransmissível.

Cada rosto transmite uma história. Uma mulher que conheceu o marido num tribunal, ambos advogados, mas de casos diferentes, quando ele repara nela e ela repara nele, mas não se falam achando que são comprometidos, mais tarde ele liga-lhe e convida-a para sair. Um homem que adora as montanhas, onde nasceu e cresceu e viveu a vida toda, bem como a natureza e as pequenas coisas da vida, qual Alberto Caeiro do Nepal. Uma mulher que sonhava ter sido médica mas cuja situação socioeconónima não o permitiu, acabando por se tornar camareira, feliz, livre por poder trabalhar e passear, mas com falta de liberdade quanto a decisões e a explicações que deve às pessoas. Diferentes perspectivas, diferentes olhares. Um projecto maravilhoso que pretende alertar para a diversidade humana e tal. Mas que acaba por mostrar muito mais do que isso, e por nos fazer pensar na vida :)

1 comentário:

Rosa Branca disse...

Raquel - o teu post fez-me lembrar um episódio de How I met your mother: computadores e probabilidades nos cruzamentos...

A magia está quando as múltiplas histórias se vão encontrando nos maiores absurdos possíveis...Nem é preciso ir muito longe, n achas?:P:P

Tentei ir ao link, mas a treta desta net..:(