segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Overthinking

Daqui a cinquenta anos, o que vão as nossas crianças aprender em história, na escola?
Como seremos nós, e a nossa época, retratados nos livros de história do futuro?

A história não existe simplesmente para ser consultada e ensinada.
Não é estática, pelo contrário.
A história escreve-se, constrói-se
a cada dia
a cada hora
a cada minuto
a cada segundo que passa.
E o presente é a história do futuro.

Temos, num passado recente, um século recheado de história, de factos que marcaram o mundo e o rumo que este tomou em direcção à posteridade, servindo de amostra de uma história mundial toda ela recheada de acontecimentos inesquecíveis. Temos então no século vinte
as guerras
os totalitarismos
as crises económicas
a chegada do homem à lua
os meios de comunicação
os Beatles.

No futuro, a história será isso e muito mais… será tudo o que já aprendemos, em adição ao que aconteceu recentemente e ao que ainda está por acontecer. Assim, o que aprenderão as nossas crianças, de novidade, em história, na escola, daqui a cinquenta anos? O que, do presente, constará nos seus livros de história?
A guerra no Iraque?
A eleição do Obama?
O 11 de Setembro?
O Tratado de Lisboa?
A crise económica?
A Internet?
As epidemias?
O progresso científico?
Ficaremos conhecidos como a era da comunicação, das crises, dos conflitos?
O futuro está nas nossas mãos.


(Oh pá... sim, eu penso demasiado nas coisas, mas isto enche-me a cabecinha e ocupa-me os neurónios todos de há uns dias para cá. Tenho curiosidade! Gosto da história!
)

1 comentário:

.Tiago Vitória disse...

Sem parasses de pensar neste tipo de coisas, não serias tu mesma Raquel, não serias interessantíssima como és. Serias certamente mais uma de um infindável número de raparigas fúteis, inertes e sem opinião!

(: - (v)