domingo, 13 de setembro de 2009

Choice

Estamos naquela altura do ano em que regressa uma certa azáfama para regressar à escola e voltar a ver os amigos, os professores, e até recomeçar as aulas, um novo ano lectivo, com novos desafios e responsabilidades. Na escola, como em tudo na vida, é sempre a subir… e temos de fazer escolhas constantemente, que tanto podem ser as mais acertadas como totalmente erradas para o nosso futuro. A verdade é que não sabemos, e talvez nunca o saibamos. Temos de seguir o coração, ou o instinto, ou optar pelo que nos parece melhor. Mas, de qualquer forma, temos de ultrapassar todas as etapas, uma a uma, seja onde for que elas vão dar.

A entrada na faculdade é um dos grandes passos neste processo académico. Não, não me candidatei este ano. Mas acompanhei muitas candidaturas, muitos dramas de amigos que repetiram exames, que pediram reapreciações, que não tinham a certeza de que queriam determinado curso, que não sabiam com certezas se iriam entrar nas suas primeiras opções, que quando tal aconteceu se sentiram imensamente felizes, ou ainda que sentiram apenas alguma curiosidade. É um grande passo, decisivo, difícil e determinante na nossa vida. E não é nada fácil de dar. No entanto, é o passo pelo qual tenho esperado a minha vida inteira.

Ok, começando pelo princípio… já quis ser polícia (sim, don’t ask), advogada (grande paixão, impulsionada pelos filmes e séries…), criminologista (idem idem)… ainda considerei psicologia (pelo gosto de ouvir os outros) e relações internacionais (pela política e pelo conhecimento do mundo). Hoje, mantenho a ideia que me trouxe até humanidades, que se tem vindo a infiltrar cada vez mais em mim: o jornalismo, a paixão pela escrita, pela actualidade, pela transmissão de ideias, pela comunicação em geral. A dúvida é (e esta sim, uma dúvida difícil…): será que tenho calibre, coragem, para embarcar nesta aventura, para me dar a esta profissão, para ser jornalista?

Sempre quis crescer depressa. Sempre fui prematura, em quase tudo (vá, em tudo não, há muita coisa que tenho atrasada…). Neste mês de Setembro, voltou o entusiasmo (embora não muito grande) de regressar à escola, mas com um sentido diferente dos outros anos. Porque acompanhei de fora este processo de entrada na faculdade, de outras pessoas, em faculdades que me dizem bastante, em cursos que me dizem ainda mais, e senti quase na pele esta emoção de enfrentar uma nova etapa decisiva, aquela pela qual anseio desde há muitos anos atrás. Daqui a um ano, estarei nesta situação. Estarei (ainda mais) preocupada com os exames, com as médias de entrada, com as diversas opções, com a escolha final, com a entrada ou não na faculdade. Mas estarei igualmente (e possivelmente ainda mais) ansiosa pelo que vem a seguir, pelo curso, pelos novos horizontes, pela aproximação do objectivo.

A dúvida permanece… será que conseguirei atingir esse objectivo? Por mais que goste de escrever, de conhecer, de saber, de observar, de questionar… será que tenho coragem para ser jornalista, para trabalhar no duro, para fazer muitas vezes coisas que não gosto, para arranjar contactos, para contactar pessoas, para me lançar em desafios, para embarcar em aventuras perigosas, para arriscar? Não faço ideia. Talvez esteja a cometer o maior erro de sempre. Mas como sei se o estou a fazer? Não sei, não posso saber… o tempo o dirá. Por enquanto, reina a esperança, a ideia de que algumas coisas que devem mudar para melhor vão, realmente, mudar e seguir o seu rumo… e que estas dúvidas que tenho de dissiparão.

É uma contradição, eu sei. Quero tanto entrar na faculdade e seguir em frente, quase saltar o ano que falta e entrar hoje para a faculdade, para o curso… e ao mesmo tempo tenho todas estas dúvidas em relação ao que quero e ao que devo fazer da vida. Enfim. Acho que não tem explicação plausível, deve fazer parte da prematuridade… só sei que quero e que tenho curiosidade. E que quero. E que quero!

A ouvir: Bicycle Race, by Queen!

7 comentários:

.Tiago Vitória disse...

Este texto adapta-se perfeitamente à situação vivida - ou questionada - por todos nós. A situação das escolhas e da coragem que temos para as fazer.

Outra questão que se pode abordar, muito genericamente nesta conjuntura de acontecimentos é este:"Terá algum mal as pessoas mudarem de ideias ao longo dos anos sobre os cursos que desejam tirar?"

Raquel, da-me a tua opiniõ sobre isso...

Inês Brito disse...

Tenho o péssimo hábito de explorar a viabilidade das coisas até ao seu âmago. No 9º ano, artes pareceu-me o mais correcto, no entanto, não foi por lá que fiquei.O jornalismo empurrou-me para humanidades, no entanto, a impossibilidade de seguir exactamente o que queria, onde queria e como queria, levou-me a dar uma volta de 180º até às linguas, literaturas e culturas.
Não me arrependo de ter sido arrastada pela corrente até aqui. Orgulho-me de ter dado a oportunidade ás mais variadas áras e por fim, escolhido uma que abrange as minhas paixões: cultura (política, história, arte...) e literatura/escrita.

Bj,
(i)

Rosa Branca disse...

Quando cá estamos é bem melhorr....LOOOOOL

N é assim tão mau.

Rosa Branca disse...

Ansiedade é o pior!:P

Raquel Silva disse...

@Vitória

Acho que não faz qualquer mal uma pessoa mudar de ideias... o próprio comentário da Inês é uma lição de vida nesse aspecto. É legítimo que te passem diversas coisas pela cabeça, que num dia aches que queres uma coisa e no outro dia aches que queres outra completamente diferente. Por isso a minha dúvida tão intensa acerca do curso... será que é adequado... será que não me vou arrepender mais tarde?
Só nos resta seguir a intuição e acreditar que fazemos a escolha correcta. Senão, sempre podemos recomeçar... nada está perdido :)

@Inês

É o que disse ao Vitória :) Mudaste de ideias, foste muitas vezes condicionada a abdicar do que gostavas, mas nem por isso desanimaste, e acabaste por escolher algo que gostas :) Admiro isso! Muito mesmo!

@Rosa

Acredito que a ansiedade seja o pior! E acho que não é possível fugir-lhe LOL :D Mas é um sentimento bom, apesar de estranho!

never'mind disse...

Aqui estão umas quantas verdades sobre uma das mais difíceis mudanças na vida de um estudante: faculdade!

"Estamos naquela altura do ano em que regressa uma certa azáfama para regressar à escola e voltar a ver os amigos" Ou há sempre quem ande preocupado porque os amigos vão para longe enquanto que eles ficam. E então há que esperar uns bons meses para se verem de novo...

Carlos disse...

Olá Raquel!! :D
Já vi que tens aí um sério dilema à tua frente. Mas, na minha humilde opinião, penso que não te tens que preocupar muito acerca disso. Do pouco que conheço de ti, posso dizer com a maior das certezas que és uma rapariga cheia de capacidades, e que vais ser capaz de atingir o teu objectivo de te tornares uma boa jornalista.
Não tenhas medo de arriscar e perseguir esse teu sonho, porque vale a pena. Aceita este conselho vindo de alguém que teve que "jogar pelo seguro" e abdicar daquilo que gostava de fazer para ficar "encalhado" num trabalho que se tornou um autêntico pesadelo.
Lembra-te disto: Na vida, mais vale correr um risco e ganhar, do que nem sequer tentar e viver o resto da vida a pensar o que teria acontecido se tivéssemos feito uma escolha diferente.