domingo, 9 de agosto de 2009

Conversas twitteiras e msneiras

Por um lado, o casamento com o homem da boina, que por sinal é um querido de primeira.
Mas.. (e há sempre um mas em todas as histórias!) há mais uma concorrente ao amor dele, ao casamento com ele… em lugar de entrarmos em guerra, propomos uma partilha do homem da boina.
Ele concorda, adora a atenção que as duas raparigas lhe dão… tem dois amores, diz ele, uma loira e outra morena.
É só amor a inundar o twitter. E poligamia. Virtual, entenda-se… nada disto é físico! Duas raparigas simpáticas que se derretem com as palavras queridas do homem que nunca viram sem boina. É só querideza.


Por outro lado, outro homem, o que corre em cima de uma bicicleta, aparece na televisão durante dez dias em Agosto, e faz delirar milhões de portugueses.
Aquele homem que, como alguém diz, sempre que quase ganha... mas nunca ganha efectivamente e desilude sempre metade do país.
A esperança mantém-se, apesar de tudo, todos os anos. Perde, ganha, continua a fazer sorrir e a emocionar a actividade da bicicleta. Será que é desta? Ai ai.


Por outro lado, e uma vez mais, outro homem. Desta feita um porreiro pá, à imagem do original.
Maroto, simpático, brincalhão. Uma excelente companhia quando se está em baixo, é rir até mais não e sorrir ainda mais.
Debaixo da carapaça (todos temos uma, a minha é loira e tal) é bom rapaz, tem juizinho e é um querido.
Almoço? Andamos a falar nele há meses… mas sim, há-de acontecer. Um dia. Quando ele arranjar espaço na agenda, que é uma pessoa hiper ocupada. Eu tenho tempo, é o que vale. E a porreirice do homem porreiro valerá a pena. Ou não.


Por outro lado ainda, a melancolia das músicas antigas e verdadeiramente marcantes nas nossas vidas. O que nos leva também a um homem, grande no verdadeiro sentido da palavra.
E mais melancolia. Não teve tempo para mais, mas o legado que deixou ao mundo é maravilhoso, inconcebível e inigualável. E será lembrado para sempre através das letras e músicas.
Os nossos filhos serão fãs. Não poderiam deixar de o ser, nunca. Por causa do homem. Da lenda. Do marco que deixou na história. E chega de melancolias. Os grandes homens são para ser lembrados a sorrir.


P.S. – conversas twitteiras e msneiras há-as todos os dias, às vezes mais interessantes, outras vezes menos marcantes. Estas foram umas boas 24 horas. Muito parvas, diga-se de passagem. Nalgumas delas lembrei-me da música Sober, da grande Pink, e pensei… isto realmente é muito cor-de-rosa, estarei realmente sóbria ou há aqui muito álcool virtual a encher-me o cérebro? Não cheguei a lado nenhum, obviamente. Mas como diria outro grande homem que nos abandonou recentemente, “façam o favor de ser felizes”. E é o que tentamos fazer, seja de que forma for. Sejamos felizes, portanto!

8 comentários:

Pedro disse...

@boinas, o da bicicleta nao sei :$ e @pmcoelho, acertei? :P

Raquel Silva disse...

O primeiro sim, é óbvio ;)
O outro não meu caro, estás a leste :P
Prefiro manter tudo na clandestinidade ahah :D

Pedro disse...

Hmm com um pouco de pesquisa não deve ser difícil de descobrir :P

Anónimo disse...

Luís Filipe Borges, Cândido Barbosa e Luís B.Pereira, respectivamente.

Raquel Silva disse...

Primeiro, não gosto de comentários anónimos.
Segundo, não confirmo nem desminto esses nomes. Como disse, prefiro manter na clandestinidade. Isto é algum concurso ou quê? È só um texto LOL.
Terceiro, não falam do quarto homem, que também refiro no texto, porquê? Não há apostas? ;)

Pedro disse...

Se calhar esse anónimo é um desses homens?
Peço desculpa eu comecei este advinha.

Raquel Silva disse...

A culpa não é tua. E já pensei nisso LOL. Não me importa, honestamente :D

Rosa Branca disse...

Hope!!!